wageindicator logo Meusalario.pt

Disparidades salariais entre homens e mulheres no trabalho manual em Portugal, para além do setor da produção

Em Portugal, alguns grupos profissionais pouco qualificados, tais como assistentes administrativos ou pessoal de limpeza e auxiliares apresentam um fosso salarial baixo por ocupação. Mas os empregados de atendimento ao público e os operadores de instalações fixas apresentam disparidades salariais mais significativas entre homens e mulheres. No caso dos trabalhadores do setor da transformação de alimentos ou trabalhadores não qualificados, com mais anos de experiência, o padrão salarial passa de neutro entre géneros para favorecer ligeiramente os homens.

As mulheres ganham mais do que os homens em alguns grupos profissionais. Por exemplo, as empregadas de limpeza e auxiliares com até 10 anos de experiência ganham 6% mais do que os homens. Os trabalhadores não qualificados auferem salários iguais com até 10 anos de experiência. Os assistentes administrativos com 6 a 10 anos de experiência também apresentam uma diferença salarial de 3% a favor das mulheres.

O fosso salarial entre géneros mais significativo (29%) a favor dos homens foi registado nos empregados de atendimento ao público com mais de 20 anos de experiência profissional. Neste grupo profissional, o fosso salarial é elevado em todas as categorias, exceto até 5 anos, em que a diferença é apenas de 3%. Os funcionários dos serviços pessoais ganham em média 12% mais do que as mulheres na mesma categoria. Está também presente um fosso salarial significativo no grupo profissional dos operadores de instalações fixas e de máquinas (17%). Nas ocupações de trabalhadores do setor da transformação de alimentos ou trabalhadores não qualificados, as diferenças salariais aumentam nas categorias mais altas. No caso dos trabalhadores do setor da transformação de alimentos, transformação da madeira e outros ofícios, salários iguais para trabalhadores com até 5 anos de carreira passam para uma diferença de 21% a favor dos homens após 20 anos.

De onde vem o fosso salarial entre géneros?

O fosso salarial entre géneros define-se pelo pagamento desigual para trabalho do mesmo valor quando executado por pessoas com as mesmas capacidades e qualificações. O fosso salarial é o resultado de atitudes e práticas que fomentam a segregação de géneros. Estas atitudes e práticas reforçam a desigualdade de oportunidades de desenvolvimento para homens e mulheres e as diferenças de remuneração injustas em determinados grupos de ocupação e profissões. Note que os fossos salariais entre géneros apresentados em baixo apenas retratam as ocupações e profissões analisadas.

Tabela 1. O fosso salarial entre géneros de grandes grupos de ocupações em Portugal

Profissão Anos de experiência profissional Masculino Feminino Fosso salarial entre géneros
Média de remuneração ilíquida (€/hora) Média de remuneração ilíquida (€/hora) % diferença
Especialistas em administração e negócios 0-5 4.85 4.16 14.23%
6-10 5.97 5.34 10.55%
11-20 7.52 5.99 20.35%
Mais de 20 8.37 7.55 9.80%
Pessoal de limpeza e auxiliares 0-5 3.24 3.43 -5.86%
6-10 3.15 3.34 -6.03%
11-20 4.11 3.73 9.25%
Mais de 20 3.91 3.78 3.32%
Pessoal dos serviços pessoais 0-5 3.40 3.25 4.41%
6-10 3.78 3.38 10.58%
11-20 4.63 3.76 18.79%
Mais de 20 4.48 3.9 12.95%
Operadores de instalações fixas e de máquinas 0-5 4.25 3.57 16.00%
6-10 4.36 3.97 8.94%
11-20 5.85 4.67 20.17%
Mais de 20 6.02 4.67 22.43%
Coletores de lixo e outros trabalhadores não qualificados 0-5 3.27 3.29 -0.61%
6-10 3.7 3.7 0.00%
11-20 4.34 4.17 3.92%
Mais de 20 4.8 4.25 11.46%
Trabalhadores da transformação de alimentos, transformação da madeira, do vestuário e outros artífices e trabalhadores similares 0-5 3.7 3.67 0.81%
6-10 4.03 3.67 8.93%
11-20 4.37 3.75 14.19%
Mais de 20 4.81 3.79 21.21%
Empregados de atendimento ao público 0-5 4.35 4.21 3.22%
6-10 5.85 4.72 19.32%
11-20 6.54 4.98 23.85%
Mais de 20 8.82 6.27 28.91%
Assistentes administrativos 0-5 4.2 4.07 3.10%
6-10 4.48 4.6 -2.68%
11-20 5.05 5.01 0.79%
Mais de 20 6.07 5.81 4.28%

Fonte: 2013-2015 WageIndicator online web survey

O fosso salarial entre géneros foi obtido através da comparação das remunerações ilíquidas médias por género e da divisão da diferença resultante pela remuneração ilíquida média do homem. Todos os grupos de ocupações na tabela têm um mínimo de 10 observações, tanto para inquiridos masculinos como femininos.

O que é o projeto fosso salarial entre géneros WITA?

Com o projeto "Innovative Tools Against Gender Pay Gap" a WITA GPG (janeiro 2015 - dezembro 2016) visa uma contribuição significativa para a redução de fossos salariais entre géneros acentuados e persistentes. O projeto é implementado pelo programa de concessão de subsídios PROGRESS n° 4000004929 da Comissão Europeia. Uma das atividades é a comparação das remunerações de mulheres e homens com base em grupos de ocupações e a distribuição aos sites nacionais de indicadores de remunerações de todos os 28 estados-membros da UE e a Turquia, bem como a distribuição da informação por meio de publicações.

Mais informações sobre o projeto WITA

Mais informações sobre o fosso salarial entre géneros em Portugal no site Meusalario.pt